Item de Pesquisa 4: Desafios Significativos

Quais os desafios principais relacionados ao ensino, aprendizado ou à investigação criativa que as universidades brasileiras enfrentarão nos próximos cinco anos em sua opinião?

INSTRUÇÕES: Escreva suas respostas na questão abaixo. Isto é mais facilmente feito ao mover o cursor para o fim da último item e pressionando RETURN para criar um novo item de lista. Por favor, inclua URLs sempre que puder (URLs completas serão automaticamente convertidas em hyperlinks; por favor digite-as por extenso ao invés de usar a ferramenta de link na barra de ferramentas).

NOTA: Os desafios significativos são classificados em três categorias de dificuldade relacionada com base em sua aparência em edições anteriores Horizon relatório - desafios solúveis são aqueles que ambos entendem e sabem como resolver, mas aparentemente não têm a vontade; desafios difíceis são aquelas que são mais ou menos bem - entendido, mas para os quais soluções são ainda imperceptíveis; desafios mau, o mais difícil , são complexas até mesmo definir, e, portanto, necessitam de dados e insights adicionais antes de soluções vai mesmo ser possível. Em suas respostas às tendências abaixo , sinta-se livre para explorar por que ou por que não o desafio deve ser em sua categoria específica.

Enquanto você revisa o que outros escreveram, por favor, aproveite e adicione seus pensamentos e comentários.
Por favor, "assine" cada uma de suas contribuições ao marcá-las com o código de 4 tils (~) em uma linha a fim de que possamos acompanhá-lo, caso nós precisemos de informações adicionais ou de exemplos- isto produz uma assinatura quando a página é a atualizada, tal como: - Sam Sam Apr 27, 2015

Componha seus textos assim:
Nome do Desafio.Adicione suas ideias aqui com algumas sentenças de descrição incluindo URLs para referências (e.g. http://horizon.nmc.org). E não se esqueça de assinar a sua contribuição com 4 caracteres til ~ (til).


Acesso em Expansão
O foco global em aumentar o número de estudantes matriculados na graduação está pressionando todo o sistema. O relacionamento muito citado entre atingir realização potencial e educacional mais o impacto claro de uma sociedade educada sobre o crescimento da classe média está pressionando os governos a incentivar mais e mais estudantes a ingressarem em universidades e faculdades. No entanto, em muitos países, a população de alunos preparados para estudo de graduação já estão inscritos – a ampliação do acesso significa estendê-lo para alunos que podem não ter a formação acadêmica para ser bem-sucedido sem o apoio adicional. Muitos em universidades acham que essas instituições não têm tempo e recursos suficientes para ajudar a esse grupo de alunos.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Um grande problema no Brasil é que o investimento está indo todo para o ensino superior, quando o problema é mais de base. Criou-se diversos mecanismos para tentar compensar a falta de uma boa educação básica, como cotas e vantagens em pontos no exame de entrada, no entanto o aluno que entra assim vai enfrentar maiores dificuldades para aproveitar o curso. Para verdadeiramente expandir o acesso, teria-se que investir fortemente na melhoria da educação básica. | Muito embora eu concorde com parte das afirmações anteriores, principalmente quanto a necessidade de mudar substancialmente a educação na base, dizer que esses alunos terão dificuldades nos cursos universitários como decorrência da formação pregressa é parcialmente verdade. A qualidade dos cursos universitários no Brasil do ponto de vista de conteúdo, ferramentas, metodologias e preparo dos professores deixa muito a desejar, estamos defasados e isso em minha opinião tem um peso maior do que a falta ou baixo preparo dos estudantes devido a falhas na educação de base. - rodrigo_de_Alvarenga rodrigo_de_Alvarenga Jun 26, 2017
Ajuda Financeira para a Educação Baseada em CompetênciasA educação baseada em competências, que possibilita aos alunos receberem créditos e desenvolverem competências práticas com mais eficiência do que no sistema convencional, baseado em anos e semestres, representa uma solução flexível e de custo acessível para ajudar os alunos a atingir o sucesso.Evidências corroboram a teoria de que esses programas ampliam o acesso a credenciais no ensino superior a custos mais acessíveis para estudantes pertencentes a minorias e de baixa renda.No entanto, as instituições norte-americanas se veem diante do desafio de conceber programas para mapear o progresso dos alunos em termos de equivalências tradicionais — créditos com base em horas de curso — para que os alunos possam se beneficiar do auxílio financeiro proporcionado pelo governo federal.Organizações como a Bill and Melinda Gates Foundation e a Lumina Foundation estão investindo recursos consideráveis para criar soluções voltadas a proporcionar a infraestrutura e o suporte necessários para esse modelo de conclusão acelerada do nível superior.
Apoio aos Professores Adjuntos por Meio da Implantação da Tecnologia
A combinação de ambientes de aprendizagem que utilizam tecnologias de aprendizagem adaptativa comprovadamente melhora os resultados dos alunos enquanto o material didático digital pode ajudar os alunos a ter sucesso em cursos de educação geral com muitos alunos matriculados.Professores adjuntos e professores trabalhando em esquema de meio expediente muitas vezes são encarregados de cursos introdutórios e on-line. No entanto, as instituições nem sempre lhes dão acesso às mesmas ferramentas, recursos e treinamento dispensados aos professores de período integral e efetivos.Além disso, devido a seu status de emprego temporário, os professores adjuntos enfrentam desafios especiais na implementação de novas tecnologias e na adaptação de currículos voltados a técnicas pedagógicas eficazes.Ao identificar as necessidades dos professores adjuntos e de meio expediente e ao tomar medidas para lhes dar o devido apoio, faculdades e universidades podem ajudar esses instrutores a melhorar suas técnicas de ensino e beneficiar mais estudantes.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Entra nesta categoria também os tutores de EAD que precisam ser mais bem apoiados e valorizados.

Aprendizagem Personalizada
A aprendizagem personalizada inclui uma grande variedade de abordagens para apoiar a aprendizagem autodirigida e baseada em grupos que pode ser projetada em torno de objetivos de cada aluno. Resolver este desafio significa incorporar nas atividades escolares conceitos como ambientes e redes de aprendizagem personalizados, ferramentas de aprendizagem adaptativa e muito mais. Usando um conjunto crescente de recursos livres e simples, como uma coleção de aplicativos em um tablet, já é bastante fácil de suportar cursos de aprendizagem social e profissional e outras atividades com uma coleção de recursos e ferramentas que estão sempre à mão. Existem dois caminhos de desenvolvimento para a aprendizagem personalizada: o primeiro é organizado pelo aluno, que inclui aplicativos, mídias sociais e softwares relacionados. Os objetivos e interesses das escolas estão se focando em outro caminho, principalmente sob a forma de aprendizagem adaptativa. Nesta via, que prevê o desenvolvimento de ferramentas e fluxos de dados que ainda estão longe de ser encontrado nas escolas, a aprendizagem adaptativa é baseada na inteligência da tecnologia que interpreta os dados sobre como um aluno está aprendendo e responde mudando o ambiente de aprendizagem com base em suas necessidades. Embora o conceito de aprendizagem personalizada seja bastante fluido, está se tornando cada vez mais claro que a aprendizagem adaptativa é individualizada desde a sua criação, diferente de pessoa para pessoa e construída em torno de uma visão de aprendizagem ao longo da vida. A aprendizagem personalizada é uma tendência, no entanto, muitos que dizem oferecer uma aprendizagem personalizada, no máximo, oferecem um banco de questões para identificar gap de aprendizagem de determinados conteúdos. Necessário investimento e pesquisa para o desenvolvimento desta tendência. - marcos.galini marcos.galini
[Nota do Editor: Movido para o topico Tecnologias de Aprendizagem Adaptativa no tema Tecnologias de Aprendizado no IP1]

Combinação da Aprendizagem Formal com a Aprendizagem a InformalAs abordagens tradicionais de ensino e aprendizagem com raízes no século 18 e até antes disso ainda são muito comuns em muitas instituições e não raro engessam a aprendizagem tanto quanto a promovem.À medida que a Internet levou, à palma das nossas mãos, a capacidade de aprender sobre praticamente qualquer coisa, voltamos cada vez mais o nosso interesse aos tipos de aprendizagem autodirigida e baseada na curiosidade que há muito prevalecem em museus, centros científicos e redes pessoais de aprendizagem.Essa modalidade de aprendizagem bem como a experiência de vida e outras formas mais casuais de aprendizagem entram na categoria da aprendizagem informal e atuam para aprofundar o engajamento dos alunos e incentivá-los a seguir o próprio caminho e buscar os próprios interesses de aprendizagem.Muitos especialistas acreditam que uma combinação de métodos formais e informais de ensino e aprendizagem pode criar um ambiente educacional que promove a experimentação, a curiosidade e, acima de tudo, a criatividade.Nesse sentido, um importante objetivo é cultivar a aprendizagem ao longo da vida em todos os alunos e educadores.No entanto, um dos problemas está em reconhecer e recompensar formalmente as habilidades que tanto os educadores quanto os alunos dominam fora da sala de aula.Uma parte importante desse desafio é a avaliação e a certificação de conhecimentos e competências.Os créditos pela aprendizagem reconhecida provavelmente incluirão novas ‘microcredenciais’ simbolizadas por emblemas (badges) e prêmios semelhantes que se transformam em ‘credenciais empilháveis’ para compor um pacote flexível que os alunos poderão usar para representar o que eles sabem e são capazes de fazer.Parcerias criativas na aprendizagem serão necessárias para construir as ‘pontes’ necessárias entre os prestadores de aprendizagem formal e informal.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Este é um grande desafio mas que deve-se investir para superá-lo. | Grande desafio, contudo os meios para resolve-lo estão disponíveis mas requerem investimentos e mudanças que afetaram os quadros de professores, as disciplinas, entre outros. Aqui não se trata de não sabermos como fazer mas sim de quanto o sistema realmente quer mudar a si mesmo e afetar todo seu corpo de profissionais enquanto promove essas mudanças. - rodrigo_de_Alvarenga rodrigo_de_Alvarenga Jun 26, 2017
Continuidade da Inovação diante de Mudanças na LiderançaA sustentabilidade voltada ao sucesso de longo prazo é um fator fundamental a ser levado em consideração ao desenvolver um novo programa, especialmente considerando que fatores externos, como orçamento e liderança, tendem a mudar.No entanto, o processo de preparação para o desconhecido nem sempre é bem definido e atualmente não é a norma em faculdades e universidades.O planejamento e a implementação de abordagens inovadoras para ajudar os alunos a ter sucesso em instituições de ensino superior requerem dedicação por parte da liderança, dos professores e dos funcionários.Infelizmente, lacunas ou transições na liderança podem resultar em atrasos nos projetos ou dificultar o desenvolvimento e a expansão de programas para atender com eficácia às necessidades dos alunos.A rotatividade em importantes cargos institucionais também pode deixar iniciativas promissoras sem a orientação adequada, especialmente se uma estratégia de inovação clara não for implementada para impulsionar uma mudança sustentável e se outros participantes não se sentirem responsáveis pelo programa.As instituições devem identificar estratégias eficazes para garantir a continuidade do progresso de inovações promissoras diante de transições na governança.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Desafio relevante para o Brasil. | Assim como mencionei acima, aqui o dilema persiste, as decisões são tomadas e executadas por pessoas que poderão ser negativamente impactadas a medida que se inova e se corrige o déficit de qualidade na educação universitária no Brasil. Portanto, como lidaremos com isso, como alinharemos a necessidade de mudar, as lideranças que promoveram e implantarão tais mudanças e as lideranças que administram os processos atualmente.- rodrigo_de_Alvarenga rodrigo_de_Alvarenga Jun 26, 2017
Criando Oportunidades Autênticas de AprendizagemA aprendizagem autêntica, especialmente aquela que traz experiências da vida real para a sala de aula, ainda é muito rara nas escolas. A aprendizagem autêntica é vista como uma estratégia pedagógica importante, com grande potencial para aumentar o engajamento dos alunos que procuram alguma ligação entre o mundo que eles conhecem fora da escola e as suas experiências na escola que são destinadas a prepará-los para esse referido mundo. O uso de estratégias de aprendizagem que incorporam experiências da vida real, tecnologia e ferramentas que já são familiares aos alunos e as interações entre membros da comunidade são exemplos de abordagens que podem trazer aprendizagem autêntica para a sala de aula. Práticas como estas podem ajudar a manter os alunos na escola e prepará-los para a educação, carreira e cidadania de uma forma que as práticas tradicionais estão muitas vezes deixando de fazer.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Este é o grande desafio de tornar o curso superior mais próximo do mundo profissional, preparar melhor os alunos para sua próxima etapa de vida.
Curvas de Aprendizagem da Implementação de InovaçõesÀ medida que rápidas mudanças na tecnologia educacional transformam o ensino e a aprendizagem, os professores podem encontrar obstáculos ao adaptar suas técnicas pedagógicas e fazer experimentos com novos métodos de ensino.Novas abordagens também têm o potencial de afetar as experiências dos alunos à medida que eles ajustam suas competências de aprendizagem.É importante que os professores se mantenham cientes da variação das competências tecnológicas de seus alunos.Com os estudantes clamando por materiais mais baratos e com o campo do ensino começando a se dar conta das vantagens das tecnologias inovadoras, as instituições devem trabalhar com os professores para ajudar na transição para opções flexíveis e de custo mais acessível e na incorporação de ferramentas e métodos voltados a ajudar os alunos a atingir o sucesso.Robustas estratégias de desenvolvimento profissional podem aumentar a autoeficácia dos instrutores e garantir que eles estejam preparados para essa mudança no ensino, lhes possibilitando criar ambientes de aprendizagem positivos e produtivos.- cristiana.mattos cristiana.mattos~O gap ainda é grande neste área. | Esbarra nos mesmos pontos que destaquei em comentários anteriores, trata-se de uma necessidade premente! Precisamos desenvolver instrutores capazes de promover as mudanças necessária e empodera-los para tal. - rodrigo_de_Alvarenga rodrigo_de_Alvarenga Jun 26, 2017 Escalando inovações de ensino. Nossas organizações não são adeptas em transformar as inovações pedagógicas em práticas massificadas. As nossas escolas e universidades geralmente nos permitem conectar ideias apenas em formas pré-estabelecidas – às vezes, estas levam a novas descobertas, mas o mais provável é que elas levem à aprendizagem por memorização. As atuais estruturas de promoção organizacionais raramente recompensam a inovação e melhorias no ensino e na aprendizagem. A aversão profunda à mudança limita a difusão de novas ideias e, muito frequentemente, desencoraja a experimentação.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Muitos modelos devem ser testados em larga escala. Não é uma transição automática. E é demorada. Precisamos começar a investir nisso desde já.[Nota do Editor: Combinado com item to IP4 ] Facilitação da Descoberta de Tecnologias de Aprendizagem. No crescente campo da aprendizagem adaptativa, muitas soluções prometem ajudar os alunos a atingir o sucesso.Os professores podem ser motivados a adotar tecnologias de aprendizagem quando evidências indicam que os alunos se beneficiarão, mas nem sempre encontram informações confiáveis ​​sobre o impacto das tecnologias no ensino e na aprendizagem.Vários estudos voltados a investigar uma única ferramenta podem levar a resultados diferentes devido a diferenças nas condições de pesquisa, como diferentes populações de alunos e diferenças no suporte técnico durante a implementação.Diante desse problema, os líderes criaram materiais compilando avaliações de tecnologias digitais de aprendizagem, pesquisas de eficácia e dados de impacto em formatos pesquisáveis.Embora essas ferramentas e as comunidades de prática representem apenas os primeiros passos para ajudar os tomadores de decisão institucionais, a tarefa de descobrir e selecionar as tecnologias permanece constituindo uma teia complexa de considerações incluindo fatores como a interoperabilidade de ferramentas, considerações de custos e as necessidades pedagógicas dos alunos.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017 [Nota do Editor: Combinado com item to IP4 ]
Disparidade de Desempenho
A disparidade de desempenho refere-se à diferença observada no desempenho acadêmico entre diferentes grupos de estudantes, especialmente em termos de status socioeconômico, raça, etnia ou sexo.Fatores ambientais como a pressão social, monitoramento de alunos, estereótipos negativos e parcialidade em provas tendem a agravar o problema.As escolas utilizam vários padrões de sucesso para definir as expectativas de aprendizagem, incluindo notas, resultados de testes padronizados e taxas de conclusão, levando a uma comparação do desempenho dos alunos em nível individual e em grupo.As tecnologias de aprendizagem adaptativa e personalizada estão começando a desempenhar um papel mais integral na identificação de alunos e populações de alunos com desempenho inferior, ajudando educadores e líderes da área da educação a identificar os fatores e possibilitando e expandindo métodos de intervenção direcionada e estratégias de engajamento para ajudar a reduzir a diferença.No entanto, uma ação coordenada global será necessária para superar os obstáculos à educação de crianças em países que passam por distúrbios civis bem como as barreiras culturais que privam as mulheres de acesso à educação.- cristiana.mattos cristiana.mattos~A disparidade de acesso à tecnologia e problemas de conexão de qualidade agravam este quadro no Brasil.


Ensinando o Pensamento Complexo
É essencial para os jovens compreenderem o mundo conectado em que eles estão inseridos e também - através do pensamento computacional - entender a diferença entre a inteligência humana e a artificial, aprender a usar abstração e decomposição ao abordar tarefas complexas e implantar raciocínio lógico para problemas complexos. A web semântica, big data, as tecnologias de modelagem e outras inovações tornam possíveis novas abordagens para formação de alunos em pensamento sistêmico e complexo. No entanto, dominar modos de pensamento complexo não causa um impacto de forma isolada; habilidades de comunicação também devem ser dominadas pelo pensamento complexo para ser aplicado de forma significativa. De fato, os líderes mais eficazes são comunicadores com um alto nível de inteligência social; sua capacidade de conectar pessoas com outras pessoas, utilizando tecnologias para colaborar e aproveitar os dados para apoiar suas ideias exige uma capacidade de compreender a imagem maior e fazer apelos que são baseados na lógica, dados e instinto.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Este desafio perpassa pela compartimentalização excessiva que temos nos cursos hoje. | Aqui vale a reflexão quanto a como estruturamos nossos conteúdos, essa departamentalização em caixas (disciplinas) que não operam como vasos comunicantes se esgotou a muito tempo e as necessidade e realidades profissionais exigem capacidades, habilidades e atitudes que possam cooperar e se comunicar para construir resultados. Esse ponto ajuda a ilustra a necessidade premente de promovermos mudanças no curto prazo que nos permitam trabalhar de forma mais alinhada e construtivista.- rodrigo_de_Alvarenga rodrigo_de_Alvarenga Jun 26, 2017

Ensino Superior com poucos recursos de Infraestrutura
Infraestruturas escolares são críticas com poucos recursos. Em vez de estimular os pesquisadores a desenvolver e ampliar recursos básicos, alavancar sistemas de arquivos compartilhados e APIs de serviços acessíveis, as instituições estão estreitando seu foco para o que eles percebem como o conjunto mínimo de serviços que eles podem se dar ao luxo de sustentar. Como resultado, os educadores muitas vezes estão tentando projetar modelos de aprendizagem inovadoras e novas que devem ser integrados com sistemas de gestão de aprendizagem e tecnologia preexistente e desatualizadas.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Este é um problema grande no Brasil.


Equilibrando nossas vidas online e offline
Com a abundância de conteúdo, tecnologias e opções em geral, as instituições de ensino precisam liderar o caminho para facilitar a encontrar um equilíbrio entre a vida conectada e desconectada. Hoje, com a tecnologia no centro de muitas atividades cotidianas, é importante que os alunos compreendam como equilibrar sua vida conectada com outras necessidades de desenvolvimento. As instituições de ensino devem estimular o uso consciente da tecnologia para que os alunos estejam cientes de suas pegadas digitais e liderar o caminho para assegurar que os alunos não se percam e sejam absorvidos pela abundância de informação e tecnologia. À medida que a educação se alinha com tendências tecnológicas, os professores terão que promover esse equilíbrio, incentivando os alunos a sentir, digerir, refletir, tocar e buscar experiências sensoriais que são cruciais para o desenvolvimento de caráter e integridade. Encontrar um equilíbrio e orientar os alunos para o sucesso pessoal deve ser um compromisso da sociedade com novas gerações de estudantes.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Muito válido para alunos e professores. Estamos sempre conectados. Precisamos conscientemente organizar e equilibrar nossos momentos online e offline.

Escalando inovações de ensino
Nossas organizações não são adeptas em transformar as inovações pedagógicas em práticas massificadas. As nossas escolas e universidades geralmente nos permitem conectar ideias apenas em formas pré-estabelecidas – às vezes, estas levam a novas descobertas, mas o mais provável é que elas levem à aprendizagem por memorização. As atuais estruturas de promoção organizacionais raramente recompensam a inovação e melhorias no ensino e na aprendizagem. A aversão profunda à mudança limita a difusão de novas ideias e, muito frequentemente, desencoraja a experimentação.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Muitos modelos devem ser testados em larga escala. Não é uma transição automática. E é demorada. Precisamos começar a investir nisso desde já.
[Nota do Editor: Combinado com Curvas de Aprendizagem da Implementação de Inovações ]

Expansão de Métodos Baseados em Evidências nas Diferentes Disciplinas
Os métodos de aprendizagem baseados em evidências referem-se a práticas que promovem melhores resultados de aprendizagem, como demonstrado em experimentos controlados e projetos-piloto.Métricas e análises que refletem uma maior retenção dos alunos e um desempenho melhor no decorrer de todo um curso, programa ou instituição podem lançar luz sobre a eficácia e os obstáculos de técnicas pedagógicas específicas e implementações tecnológicas.No entanto, as instituições se veem diante do desafio de expandir suas melhores práticas mesmo quando o processo e a avaliação do ensino e da aprendizagem em uma disciplina nem sempre se traduzem às outras disciplinas.As abordagens atuais à expansão de pedagogias eficazes não raro se baseiam em indícios casuais, nos quais uma história de sucesso é amplificada com base na premissa de que pode ser aplicada sem ajustes a outros contextos de aprendizagem.Para agravar ainda mais esse problema, temos a noção de que a expansão não deve se limitar a uma mera duplicação:identificar maneiras de adaptar as práticas de ensino e aprendizagem a diferentes alunos, níveis de curso, tipos de programa e ambientes institucionais requer uma análise minuciosa das evidências seguida de uma profunda reflexão para fazer as modificações apropriadas antes de promover a expansão a outros cursos.Além disso, muitos métodos de ensino e aprendizagem se baseiam no hábito e educadores e líderes institucionais podem se entregar à complacência já que o cultivo de uma verdadeira mudança pode ser um processo demorado, confuso e dispendioso.


Facilitação da Descoberta de Tecnologias de Aprendizagem
No crescente campo da aprendizagem adaptativa, muitas soluções prometem ajudar os alunos a atingir o sucesso.Os professores podem ser motivados a adotar tecnologias de aprendizagem quando evidências indicam que os alunos se beneficiarão, mas nem sempre encontram informações confiáveis ​​sobre o impacto das tecnologias no ensino e na aprendizagem.Vários estudos voltados a investigar uma única ferramenta podem levar a resultados diferentes devido a diferenças nas condições de pesquisa, como diferentes populações de alunos e diferenças no suporte técnico durante a implementação.Diante desse problema, os líderes criaram materiais compilando avaliações de tecnologias digitais de aprendizagem, pesquisas de eficácia e dados de impacto em formatos pesquisáveis.Embora essas ferramentas e as comunidades de prática representem apenas os primeiros passos para ajudar os tomadores de decisão institucionais, a tarefa de descobrir e selecionar as tecnologias permanece constituindo uma teia complexa de considerações incluindo fatores como a interoperabilidade de ferramentas, considerações de custos e as necessidades pedagógicas dos alunos.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017
[Nota do Editor: Combinado com Curvas de Aprendizagem da Implementação de Inovações ]
Gerenciando a obsolescência do conhecimento
Estar organizado e atualizado hoje em dia apresenta um desafio no mundo onde a informação, ferramentas de software e dispositivos proliferam. Novos desenvolvimentos na tecnologia são empolgantes e seu potencial para melhorar a qualidade de vida é atraente, mas pode ser cansativo tentar manter-se ainda só com algumas das muitas ferramentas novas que são lançadas. O conteúdo criado pelo usuário está se multiplicando, dando origem a informações, ideias e opiniões sobre todos os tipos de temas. Acompanhar até mesmo algumas das centenas de autores disponíveis significa selecionar semanalmente ou diariamente um grande número de informações. Há uma necessidade maior do que nunca para ferramentas e filtros eficazes que auxiliem a encontrar, interpretar, organizar e recuperar os dados que são importantes para nós.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017

No mundo ideal de um gestor educacional um currículo tornar-se-á datado, após alguns poucos meses sem um curso, reciclagem ou atualização. Nessa dimensão perfeita a necessidade pelo serviço educacional seria recorrente. Como a necessidade do exercício do corpo, ou de internet. Nessa paisagem dos sonhos recrutadores e selecionadores descartarão à primeira leitura candidatos há mais de dois meses longe de um banco escolar. Afinal na era da informação a educação continuada deveria ser um requisito. Segundo o célebre psiquiatra e professor do MIT, Edgar Schein, nossa vida (que ele dividiu em três grandes ciclos), possui momentos de alta e baixa pressão. O gráfico abaixo, desenhado por ele nos anos 60, abaixo, vale a leitura.

Ciclos de Influencias sobre as pessoas
external image AAEAAQAAAAAAAAbRAAAAJDdjOGQ5MDY2LTllYzItNGY1My04M2I4LTZhMTdlOTJiMjAzNA.jpg

Inspirado pelo notório professor tomei e liberdade de redesenhar o gráfico com uma visão de uma eventual mudança de um paradigma dos momentos de alta e baixa pressão, antes e depois da sociedade do conhecimento. Em vermelho, no gráfico abaixo, o paradigma no qual viveram as últimas gerações e em azul o novo modelo. Nossos pais e avós, viveram em uma sociedade que pagou os maiores prêmios por ano de estudo do mundo – segundo várias fontes (http://goo.gl/aUpKNZ)! Bastava, no Brasil dos anos 70,80,90, percorrer a longa maratona entre a educação infantil e o ensino superior para assegurar uma ascensão econômica e social.
Desenhei o novo paradigma do terceiro milênio em azul. Nele a educação é continuada, sistêmica e ininterrupta. Não necessariamente pelas vias formais (Faculdade, Mestrado, Doutorado, Livre Docência) mas muitas vezes por trilhas pedagógicas sustentadas por tecnologia, participação em eventos, palestras etc.
Ciclos de Influencias da Educação sobre as pessoas
external image AAEAAQAAAAAAAATEAAAAJGE0NjllZjMyLTYzY2QtNGJhYi05ZDUyLTBlMzkxMzdkMmY1MQ.jpg

Estamos em aprendizagem constante nos anos 2000. Ainda que longe do mundo ideal do gestor educacional, na sociedade do conhecimento descartável a educação formal se tornou, em muitas áreas, perecível. Já escutei de um universitário recém egresso de uma faculdade: “irei trabalhar ao me formar em uma profissão que ainda não foi inventada”. Essa rápida defasagem a qual estão expostas algumas áreas demanda, de um lado, o tratamento correto das atividades complementares que objetivam modernizar a formação dos estudantes. A obsolescência do conhecimento não é programada no sentido da técnica industrial concebida por Alfred Sloan, então presidente da General Motors, na década de 1920. No início do século passado ele já procurava imprimir uma cultura de “troca de carro” em seus clientes pelo lançamento regular de novos modelos e acessórios e pela descontinuação de linhas inteiras de automóveis. A obsolescência programada está no âmago das empresas de tecnologia e pode ser a grande oportunidade para as faculdades buscarem construir programas de atualização vitalícios para seus alunos e egressos. Afinal a formação de um administrador, por exemplo, não termina na sua formatura. Ela apenas começa no recebimento do diploma. - rafa_villas_boas rafa_villas_boas Jun 7, 2017

Integração de Dados do Aluno em Diferentes Plataformas
O uso crescente de software de data mining na educação on-line está promovendo ambientes de aprendizagem que alavancam a inteligência analítica e as visualizações para retratar os dados de aprendizagem de forma multidimensional e portátil. Em cursos on-line e mistos, os dados podem revelar como as ações dos alunos contribuem para seu progresso e quais foram os ganhos de aprendizagem específicos. Essas tecnologias, com o suporte da inteligência analítica preditiva, têm um grande potencial de ajudar os alunos a atingir o sucesso identificando os alunos em dificuldade e se direcionando às suas necessidades específicas para acelerar sua trajetória até a conclusão do ensino superior. À medida que as instituições implementam sistemas de gestão da aprendizagem, tecnologias de planejamento de formação superior, sistemas de alerta antecipado e agendamento de aulas de reforço promovendo uma maior interação entre alunos, professores e orientadores, mais se faz necessário centralizar esses dados todos para proporcionar aos alunos uma assistência holística voltada a reforçar a aprendizagem. Isso pode constituir um problema para instituições que estão usando uma variedade de sistemas tecnológicos sem integração uns com os outros. Além disso, apesar de as faculdades e universidades coletarem montanhas de dados dos alunos, muitas vezes, essa informações ficam compartimentalizadas em divisões e departamentos, sem serem utilizadas em um processo decisório abrangente e embasado e na criação de modelos preditivos.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Este é um problema sério mesmo.
Informação de Todas as Coisas. Tudo na malha digital produz, utiliza e transmite informação. Estas informações vão além do texto, áudio e vídeo para incluir a informação sensorial e contextual. Informações de Tudo (Information of Everything) resolvem este afluxo com estratégias e tecnologias para conectar dados e informações vindos das mais diversas fontes. Avanços nas ferramentas semânticas, bem como outras tecnologias emergentes de análise e classificação de dados vai trazer significado para uma grande quantidade, muitas vezes caótica, de informações. Em futuro próximo, as “coisas”irão precisar de ajuda. Muitos estarão conectadas e solicitando suporte. As empresas e universidades terão que desenvolver estratégias e mecanismos de resposta diferentes do que quando pesquisam, se comunicam e resolvem problemas para os humanos. Ex. Wall smart glass, smart labs
[Nota do Editor: comentario criado por stela.piconez e movida aqui do IP3]

Integrando Tecnologia na formação do corpo docente
A formação do corpo docente ainda não reconhece o fato de que o letramento digital continua ganhando importância como uma habilidade fundamental em todas disciplinas e profissões. Apesar do consenso generalizado sobre a importância da competência digital, o treinamento nas habilidades e técnicas de apoio é raro na formação de professores e inexistente na preparação de professores. Como professores começam a perceber que eles estão limitando seus alunos por não ajudá-los a desenvolver e utilizar competências digitais em todo o currículo escolar, a falta de treinamento formal está sendo compensado por meio de desenvolvimento profissional ou de aprendizagem informal, mas estamos longe de ver o letramento de mídia digital como uma norma. Este desafio é agravado pelo fato de que o letramento digital depende menos das ferramentas e muito mais do pensamento e, portanto, habilidades e padrões baseados em ferramentas e plataformas têm provado ser um tanto efêmera.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Isto envolve não só formação de professores de ensino básico, como professores universitários, com o agravante que muitos professores universitários valorizam mais seu lado pesquisador do que seu lado docente, não querendo investir tempo nesta atividade. Melhorando o Letramento Digital. Com a proliferação da Internet, dispositivos móveis e outras tecnologias que agora estão difundidos na educação, a visão tradicional da alfabetização como a capacidade de ler e escrever agora se expandiu para abranger a compreensão de ferramentas e informações digitais. Esta nova categoria de competência está afetando a forma como as instituições de ensino abordam questões de alfabetização e letramento nos seus currículos e em programas de desenvolvimento de professores. A falta de consenso sobre o que compreende o letramento digital está impedindo muitas escolas de formularem políticas e programas adequados que abordem este desafio. As discussões entre os educadores têm incluído a ideia de letramento digital como uma competência com uma vasta gama de ferramentas digitais para fins educacionais variadas ou como um indicador em ter a capacidade de avaliar criticamente os recursos disponíveis na web. No entanto, ambas as definições são amplas e ambíguas. Para agravar este problema existe a noção de que o letramento digital engloba habilidades diferentes para educadores e alunos, ensinar usando tecnologia é diferente de aprender com tecnologia. Apoiar o letramento digital exigirá políticas que abordem o treinamento em fluência digital para professores em serviço ou que virão a fazer parte do quadro de docentes, assim como com os alunos que ensinam.
[Nota do Editor: Combinado com item to IP4 ]


Mantendo a Educação Formal Relevante
Como a aprendizagem on-line e conteúdo educacional gratuito tem se tornado mais generalizado, os stakeholders e os administradores devem considerar seriamente o que as escolas podem oferecer que não pode ser replicado por outras fontes. Já não é mais necessário os pais enviarem seus filhos para a escola para que eles aprendam competências e habilidades para no futuro ter um bom emprego. No entanto existem habilidades e atitudes valiosas que só podem ser adquiridas em ambientes escolares. Habilidades socioemocionais, tais como a comunicação e colaboração, por exemplo, são práticas essenciais para a resolução de problemas em um mundo que está cada vez mais interligado. Da mesma forma, a ética de trabalho e a capacidade de perseverar até mesmo nos desafios mais difíceis, tanto social quanto acadêmico, são reforçadas em ambientes de educação formal. A ideia é repensar o valor da educação como um meio de reforçar atitudes e habilidades que os alunos terão ao procurar informações credíveis, trabalhar eficientemente em equipes e persistir na conquista de seus objetivos. Uma pesquisa recente realizada pelo Workforce Solutions Groupconstatou que mais de 60% dos empregadores dizem que os candidatos não têm "capacidades interpessoais e de comunicação." Neste mesmo assunto, a National Association of Colleges and Employers entrevistou mais de 200 empregadores sobre as dez prioridades ao contratar e descobriu que os empregadores buscam pessoas que trabalham em equipe, planejam e solucionam problemas, organizam e priorizam seu trabalho, enquanto as habilidades técnicas ficam em segundo plano. De um modo geral, as tendências na contratação deixam claro que habilidades sociais, como comunicação e ética de trabalho estão diferenciando os candidatos.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Este desafio é importantíssimo em todos os níveis da educação. Reforce-se aqui a importância da formação da identidade profissional no ensino superior, a partir da convivência com mestres e pares, que vai além do consumo de informações e do desenvolvimento de habilidades. - Andrea.Filatro Andrea.Filatro Jun 18, 2017

Modelos Concorrentes de Educação
Novos modelos de educação estão trazendo concorrência sem precedentes para as escolas, especialmente para alunos cujas necessidades não estão sendo bem servidos pelo sistema atual. Charter (escolas públicas com gestão privada) e escolas online têm ganhado força nos Estados Unidos, Reino Unido e Escandinávia. De acordo com a National Alliance for Public Charter Schools, existem mais de 6 mil escolas Charter com mais de 1,9 milhões de alunos matriculados, em comparação com mais de 98 mil escolas públicas, onde 49,4 milhões de alunos estão matriculados nos EUA. A maioria dos estados nos EUA oferece incentivos para a inscrição em cursos online e alguns estados estão exigindo que os estudantes completem o curso online a fim de se formar. Somando-se a este desafio é o fato de que muitos alunos não frequentam formalmente qualquer tipo de escola; o National Center for Education Statistic relata que cerca de 3% da população em idade escolar foi educada em casa durante o ano escolar de 2010-11. 91% dos pais destas crianças citaram a preocupação sobre os ambientes tradicionais e escolas Charter quando questionado sobre sua escolha. Para os líderes da escola e os políticos, o desafio é atender tal competição, oferecendo alternativas de alta qualidade para os alunos que precisam delas. À medida que novas plataformas surgem, há uma crescente necessidade de se avaliar os modelos e determinar a melhor forma de apoiar a colaboração, interação, profundas experiências de aprendizagem e avaliação em grande escala.
Promoção da Equidade Digital
A equidade digital refere-se ao acesso desigual à tecnologia de banda larga de alta velocidade, um enorme problema de justiça social cujos efeitos não se limitam às nações em desenvolvimento.De acordo com a Pew Research, cinco milhões de famílias norte-americanas com filhos em idade escolar não têm acesso a serviços de Internet de alta velocidade.Enquanto cada vez mais escolas se beneficiam de uma melhor conectividade de Internet, a crescente penetração de formas mistas de aprendizagem vem chamando a atenção a novas disparidades entre os alunos que têm acesso à banda larga de alta velocidade e os que não contam com esse acesso. Especialmente em países que enfatizam a lição de casa, espera-se cada vez mais que os alunos participem de atividades de aprendizagem fora da sala de aula.Os alunos de famílias economicamente destituídas nem sempre podem contar com a disponibilidade de banda larga e dispositivos de computação suficientes.Essa faceta da equidade digital também é conhecida como ‘disparidade da lição de casa’ e serão necessárias ações coordenadas por parte de legisladores e líderes da área da educação para resolver esse problema.Nos Estados Unidos, o presidente Obama recentemente anunciou a iniciativa ConnectALL, que promete acesso a banda larga de alta velocidade e à tecnologia para todos os norte-americanos.Além disso, provedores de Internet e de tecnologia como o Google estão possibilitando um maior acesso em áreas de baixa renda, fornecendo conectividade de fibra óptica a cidade inteiras.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Este problema é mais grave ainda no Brasil.


Segurança dos dados do aluno
A segurança dos dados dos estudantes tem sido uma preocupação no ensino fundamental, que é evidente através da legislação que tem sido passada para proteger os alunos e seus dados pessoais, tal como as leis federais de Direitos Educacionais da Família e a Lei de Privacidade nos Estados Unidos. Como as escolas estão aderindo à tecnologia e ao aprendizado está ocorrendo cada vez mais on-line e em ambientes 1:1, os pesquisadores veem grande potencial para alavancar esses ambientes digitais de dados de aprendizagem, que podem ser usados ​​para identificar tendências no comportamento dos alunos e criar softwares personalizados. Escolas de todo o mundo estão adotando a computação em nuvem para apoiar a aprendizagem adaptativa, promover a redução de custos e incentivar a colaboração; mas, por vezes, a segurança dos dados do estudante é ameaçada quando terceiros fornecem softwares de baixo custo como um serviço em troca dos dados de acesso do estudante para depois lucrar com isso.- cristiana.mattos cristiana.mattos May 28, 2017Privacidade de dados é uma preocupação premente também no Brasil. A legislação reflete cada vez mais esta atenção para este aspecto de uso da internet na educação. Arquitetura de segurança adaptativa. Em futuro próximo, 20% dos edifícios inteligentes terão sofrido algum “vandalismo” digital. A complexidade do mundo digital e o surgimento da economia algorítmica, combinados com a indústria do cyber crime, aumentam significativamente as ameaças. Isso exigirá das universidades, pesquisas e projetos com estratégia sde segurança com medidas para prevenir, detectar e responder aos ataques. Aplicações de autoproteção, bem como analytics para o comportamento de usuários e entidades, irão ajudar a cumprir a arquitetura de segurança adaptativa. [Nota do Editor: comentario criado for stela.piconez e movido aqui do IP3]

Tecnologia Educacional e a Evolução dos Papéis dos ProfessoresAvanços na tecnologia educacional estão mudando os métodos de ensino do conteúdo dos cursos bem como as interações dos alunos com o conteúdo e os instrutores.À medida que as plataformas de tecnologia adaptativa e os avanços das ferramentas de aprendizagem on-line desestabilizam os modelos de aprendizagem tradicionais, alguns professores se sentem ameaçados pelos avanços, vendo-os como uma mudança de paradigma que reduz seu papel na criação da experiência de aprendizagem.Os educadores, que já contam com pouco tempo e recursos, muitas vezes têm dificuldade de adaptar seu planejamento tradicional de aulas para incluir tecnologias emergentes como os materiais didáticos digitais.No entanto, uma série de iniciativas institucionais está revelando que o envolvimento dos professores com essas ferramentas pode desempenhar um importante papel no sucesso dos alunos, ajudando os professores a administrar melhor o tempo e lhes proporcionando uma visão mais abrangente do progresso dos alunos.Essas ferramentas estão possibilitando aos professores aprofundar seu papel como mentores, orientando os alunos por meio de exercícios de aprendizagem ativa, em vez de meramente transmitir informações em aulas expositivas tradicionais. Importante destacar o papel dos professores como designers de soluções educacionais, e não apenas consumidores. Pressupõe-se a apropriação mínima de competências comunicacionais e tecnológicas, tanto quanto de competências tecnocientíficas e metodológicas.- Andrea.Filatro Andrea.Filatro Jun 18, 2017
TranslinguagemCada vez mais nossos alunos estão aprendendo em idiomas que não são sua primeira língua. A habilidade de fazê-lo sem prejuízo, e sim com ganhos, é central em um mundo progressivamente globalizado. A translinguagem tende a aumentar o nível de profundidade do conhecimento adquirido, seja por ampliar as fontes de acesso, seja por exigir uma ginástica mental que é útil no desenvolvimento de interpretação de textos complexos e no estímulo a pensamentos originais; [Nota do Editor: comentario criado por ronamota movido aqui do IP3] Línguas (Inglês e Mandarim) O Brasil e nossos estudantes tem baixíssima inserção no mercado global devido a nossa desatualização em termos de conteúdo, abordagem e, principalmente, capacidade de interação com outros, países e mercados. Comunicação é um tema antigo, mas continua sendo a chave para alcançar escala do ponto de vista da inovação e da geração de valor. - rodrigo_de_Alvarenga rodrigo_de_Alvarenga Jun 18, 2017 [Nota do Editor: Movido aqui do IP2]
__

Contribuicoes da area de comentarios


Nivelamento de ingressantes do Ensino Superior


Um exemplo de prática: Evidências no ensino de Engenharia. Com o intuito de melhorar o rendimento acadêmico em Física dos ingressantes nos cursos de Engenharias, a Estácio introduziu há pouco mais de dois anos a disciplina “Bases Físicas para Engenharia”. Entre os objetivos estratégicos, estava o de adequar o ensino, customizando-o ao perfil dominante dos ingressantes, em geral com formação anterior deficiente em Física. A disciplina foi projetada para ser um dos paradigmas do projeto inovador “Ensino 2020”, tendo nascida híbrida (metade presencial e metade a distância) e baseada na plataforma de aprendizagem inovadora SAVA (“Sala Virtual de Aprendizagem”). Neste ambiente interativo, o educando acessa videoaulas ministradas por, reconhecidamente, melhores professores de Física do país (de fora e de dentro da Estácio), textos, objetos de aprendizagem, resolução interativa de exercícios, orientação para realização de atividades práticas etc. Aspectos conceituais e históricos da Física conectada à Engenharia são explorados nesta disciplina, incluindo as bases do método científico e o estímulo à aprendizado a partir de situações contextualizadas. Fruto do aumento de acessibilidade ao ensino superior na última década e da maior demanda por profissionais com conhecimentos técnicos, tecnológicos e científicos mais profundos, a opção por cursos de Engenharias é, definitivamente, uma marca dos tempos atuais. O incremento da participação do setor privado no ensino superior implicou em maior oferta de cursos no período noturno, viabilizando que profissionais que trabalham durante o dia pudessem cursar Engenharia. Diferentemente de cursos nas áreas de Gestão, Licenciaturas ou de Tecnólogos de nível superior, as carreiras em Engenharias exigem uma base diferenciada de conhecimentos preliminares de Matemática e Ciências. Em geral esses ingressantes não as têm no nível desejado, demandando, portanto, a adoção de medidas extraordinárias, sem o que as reprovações e consequentes desistências se tornam rotinas. Com o intuito de diminuir a grande reprovação em disciplinas iniciais de Física ao longo do primeiro ano, as quais, juntamente com Matemática, eram as grandes responsáveis pelo expressivo abandono, a partir de 2015, os ingressantes em cursos de Engenharias, antes de cursarem as disciplinas tradicionais de Física, passaram a cursar “Bases Físicas para Engenharia”. Os resultados preliminares são surpreendentemente positivos, atestando de forma inequívoca que o caminho adotado de introduzir uma disciplina preparatória, que antecede as tradicionais, está sendo muito bem-sucedido. Submetidos os alunos ao mesmo rigor e exigência, o índice de reprovação que era de 54,3 % em Física I em 2015/2 (alunos que não fizeram a disciplina preparatória) caiu para 19,7% em 2016/1 (alunos que tiveram a oportunidade de frequentar a disciplina introdutória). A consistência permanece em Física II, onde a reprovação que era de 32,3% foi reduzida para 11,7%. Ou seja, em termos práticos, mais de um terço da turma que tipicamente era reprovada, com enormes chances de abandono, foram, fruto desta estratégia educacional, aprovados. Ressalte-se que com grandes possibilidades de cumprirem com sucesso seus planos de se tornarem Engenheiros, dado que as reprovações nos anos seguintes retornam aos níveis de normalidade. Em suma, trata-se de exemplo simples de abordagem educacional que viabiliza àqueles que, em geral, seriam assumidos como incapazes de cursar Engenharias, por falta de bagagem preliminar em Ciências e Matemática, uma vez expostos à correta abordagem educacional, possam obter sucesso. Esses alunos que lograram êxito na superação de suas deficiências anteriores, ao atingirem o nível desejado, não são simplesmente iguais àqueles que, eventualmente, já apresentavam os rendimentos esperados. Eles são melhores, dado que atingiram o mesmo patamar, mas incorporaram algo a mais: a capacidade da superação, aumento da autoestima e o consequente aprimoramento da capacidade de aprender a aprender. São essas evidências, ancoradas em experiências monitoradas, que dão solidez às teorias, sobre as quais, em geral, temos somente opinião prévia antes que o exercício prático no campo real nos dê a devida segurança. É sim possível customizar trilhas educacionais, dirigidas a propósitos e educandos específicos, a partir de corretos pressupostos do processo ensino-aprendizagem. [Nota do Editor: comentario criado por ronamota - na area de comentarios - e transferida para essa area]
[Nota do Editor: Movido para o IP3]

Regulação do setor
Uma dos grandes desafios da Educação Superior é o seu marco regulatório, com normas esparsas e aleatórias criadas por órgãos diversos do Poder Legislativo e do Poder Executivo. Além de atender às regras e princípios Constitucionais, as instituições de educação superior devem obedecer a LDB, a Lei do SINAES, a Lei do PNE, a Lei das anuidades escolares, o Código de Defesa do Consumidor, entre muitas outras normas elaboradas pelo Poder Legislativo. Como se não fosse o bastante, a educação superior tem que conviver com decretos presidenciais, portarias, resoluções, notas técnicas, instrumentos de avaliação e pareceres dos mais diversos órgãos do Poder Executivo: MEC (SERES, SESU), INEP (DAES, CONAES, CAPES), CNE (CES), entre outros. As normas editadas pelo Poder Executivo mudam muito rapidamente e estabelecem novas regras e novas obrigações a serem observadas. A falta de uma consolidação e de perenidade dessas normas torna quase impossível o acompanhamento pelas IES e seus cursos. Os próprios especialistas em Direito Educacional sofrem ao tentar re-interpretar sistematicamente esse amontoado oscilante de normas. Uma possível solução seria estabelecer momentos específicos para alterações normativas e, obviamente, estabelecer uma consolidação das normas da educação superior. Porém, essa solução dependeria justamente dos poderes Legislativo e Executivo, responsáveis pela bagunça. Para ilustrar a dificuldade no atendimento às normas da educação superior, sugiro a leitura do artigo de Silva Júnior et al. (2014): Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v22n82/a11v22n82.pdf> acesso em mai. 2017. [Nota do Editor: comentario criado por murilo.angeli - na area de comentarios - e transferida para essa area]

Desafio cultural


Um dos grandes problemas da educação brasileira está relacionada ao atraso. O tempo que demoramos para ter nossas Universidades, isso comparado com outros países e o tempo que demoramos para universalizar o acesso a educação. Além disso, temos uma cultura de formação terminal, que as escolas e universidades devem "formar o sujeito". Temos pouca cultura educacional e muitas vezes se acredita que tudo deve ser resolvido no ambiente escolar. Pensamos também uma educação de forma idealizada sonhando com todos tendo o mesmo tipo de formação. Não é assim que deve funcionar. Temos que ter coragem para dizer o perfil do egresso que cada instituição irá formar, tendo clareza que a educação é continuada. Ao definir o perfil do egresso temos que ser eficientes nesta formação. Para isso temos sim que usar os recursos tecnológicos disponíveis, em especial aqueles que permitem gerenciar os percursos de aprendizagem de cada estudante. Assim como usar recursos tecnológicos que facilitam a aprendizagem. Nem todos nascem com habilidades para serem "Pelé", mas cabe as escolas identificar estes "craques" os encaminhando para que aproveitem seus potenciais. Mesmo não sendo "Pelés", todos tem potenciais e competências a serem desenvolvidas. Para tal, precisamos estimular a geração de conhecimento na área da didática que associado a novas tecnologias irão desenvolver os mecanismos para sermos eficientes no processo de educar. Talvez esse seja o maior desafio do Brasil, investir como muita seriedade na formação de nossos docentes. E no caso da educação superior nos convencermos de que não é suficiente saber algo para que saibamos estimular o aprendizados dos outros. [Nota do Editor: comentario criado por marcelo.correa - na area de comentarios - e transferida para essa area]

Novas roupagens para velhos modelos

Uma discussão de fundo que precisa ser considerada é epistemológica, sobre que tipo de conhecimento se quer produzir/construir e para quem. Isso é antigo desde a filosofia grega clássica, repaginada no século passado pelas correntes da Psicologia. Inteligência artificial, modelos auto-instrucionais, realidade virtual e tantas outras novidades não passam de nova roupagem das máquinas de ensinar do psicólogo norte-americano Burrhus Skinner. Tecnologias criadas para treinar e obter resultados de habilidades e competências imediatas e de cunho comportamentais não são compatíveis com os conhecimentos profundos produzidos em universidades e empresas que se dedicam `a pesquisa. Em geral, é nessas universidades e empresas que dominam o mundo do conhecimento que se criam as tecnologias de ponta, que depois são transformadas em novas tecnologias para consumo. Inclusive na educação, em que são apresentadas como inovação, mas no fundo visam a formação de pessoas sem visão crítica das ciências, da realidade e do mundo social. No universo das instituições de ponta, as tecnologias estão presentes para promover a interação e a cooperação sobre conhecimentos profundos – vejam como surgiu a internet -, e não para promover habilidades e competências superficiais para o mundo do trabalho. O foco das discussões sobre a tecnologia na educação deve passar antes, portanto, sobre que tipo de conhecimento se quer produzir/construir e para quem.-[Nota do Editor: comentario criado por uliarau - na area de comentarios - e transferida para essa area]

Letramento Informacional
O letramento informacional tem como finalidade a adaptação e a socialização dos indivíduos na sociedade da aprendizagem. Isso ocorre quando o sujeito desenvolve as capacidades de:
  • determinar a extensão adequada da informação pesquisada,
  • acessar a informação de forma efetiva e eficientemente;
  • avaliar criticamente a informação e a suas fontes;
  • incorporar a nova informação ao conhecimento prévio;
  • usar a informação de forma efetiva para atingir objetivos específicos;
  • compreender os aspectos educacional, legal e social do uso da informação, bem como acessá-la e usá-la ética e legalmente.
Reconhece-se, de acordo com Herbert Simon (2000), prêmio Nobel de Economia em 1978, que o significado do saber mudou, sendo hoje muito mais importante buscar e usar informações do que memorizá-las. No contexto contemporâneo, o indivíduo precisa ser “informacionalmente” letrado para atuar como cidadão crítico e reflexivo, dotado de autonomia e responsabilidade e, desse modo, colaborar na superação dos graves problemas de toda ordem que atingem hoje a humanidade. Diante disso, impõe-se discutir sistemicamente as ações políticas, culturais, educacionais, socioambientais e econômicas dos vários segmentos da sociedade capazes de efetivamente contribuir para a consolidação desse processo, de forma concreta e sistematizada, em todos os níveis de ensino. Isso porque o letramento informacional possibilita, mais do que a aquisição de conteúdos e competências, a sabedoria do aprender a aprender, contribuindo para a sustentabilidade da vida e a solidariedade humana na sociedade contemporânea. Ver Gasque (2010) http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/9263/1/ARTIGO_ArcaboucoConceitualLetramento.pdf [Nota do Editor: comentario criado por stela.piconez - na area de comentarios - e transferida para essa area]